Alimentos do campesinato chegam até estudantes nas ocupações do RS

em-alta-5

O café foi realizado na UFRGS em solidadriedade aos estudantes que ocupam a instituição contra a PEC 241 agora no Senado PEC 55. Foto: Maister F. Silva/MPA

Os estudantes presentes na ação de ocupação da UFRGS foram recebidos na manhã desta quinta-feira, 10, com café da manhã elaborado com produtos do campesinato. Integrantes do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores) e da Federação dos Petroleiros, apoiados pela CUT, MST e federações dos Metalúrgicos, dos Bancários e dos Trabalhadores em Educação, organizaram a ação de solidariedade aos participantes da ocupação, que estão empenhados na luta contra a PEC 241/55.

Conforme os dirigentes camponeses, a estrutura e a logística estão sendo preparadas para que novas ações de solidariedade junto aos alunos em ocupações também pelo interior do estado possam ser contemplados com alimentos, produzidos sem veneno, pela base do campesinato. Os itens que compõem os kits de alimentação são enviados de todas as regionais dos movimentos nos quatro cantos do estado, centralizadas através das ações de dirigentes e coletivos de juventude, que estão a disposição para prestar apoio constante às ações de ocupação.

em-alta-15

O café é muito mais que um ato de doação de alimentos, é um ato político, de solidariedade e de luta de classe. Foto: Maister F. Silva/MPA

Para a estudante Haniel Monteiro, a ação representa além do aspecto solidário, um referencial simbólico importante: “Esse café representa toda uma parte da construção política com a qual o pessoal do movimento estudantil não está acostumado”, comentou. “Além de aproximar a realidade do sujeito estudante da realidade dos movimentos que compõem a Via Campesina, estimula um sentimento de legitimidade das ocupações”, complementou. Conforme a estudante, ações como esta fazem com que o pessoal não se sinta sozinho no processo de resistência, abrindo caminho para novas ações conjuntas futuras no que diz respeito as lutas por nenhum direito a menos.

Para a jovem camponesa do MPA, Sandy Xavier, o Café Colonial é uma ação do MPA juntamente com demais movimentos da Via Campesina e sindicatos e tem por objetivo, “levar o reconhecimento da importância das ocupações nas instituições de ensino público, como forma de resistência as medidas retroativas propostas pelo governo federal que batem diretamente na qualidade do ensino público”.

em-alta-10

Romper com as barreiras do capital também é pedagógico. Foto: Maister F. Silva/MPA

Sandiy também faz parte da juventude do MPA e desta o papel da Juventude Camponesa neste período histórico, “que é de diminuir a distância entre o campo e a cidade imposto pelo Capital, mostrar solidariedade e dizer que a luta não se faz sozinho e que estamos juntos nas mesmas trincheiras. A ordem do dia é Ocupar, Ocupa Tudo, Ocupa seu Lugar de Direito”.

Os kits de alimentação levados pelos movimentos da Via Campesina são compostos por frutas, verduras, legumes, cereais e produtos agroindustrializados agroecológicos, repassados sem custo aos participantes das ocupações.

Por Marcos Corbari (Jornalista e Camponês)/MPA