Pau à pique na Terra Prometida. Um guia técnico e militante de bio construção

By dezembro 15, 2018Agroecologia

Aproveitar os materiais que a natureza oferece para a construção da moradia e das benfeitorias da comunidade é algo que está na raiz dos camponeses e camponesas de todo o mundo. Um trabalho baseado em debates e oficinas práticas realizadas pela Basca Esti Redondo, vem reconectando pessoas de vários estados no Brasil com esse processo de construção alternativo e apropriado a realidade local. Confira um guia onde se ensina os elementos básicos do Pau a pique, técnica que proporcionou -e proporciona- centenas de milhares de famílias camponesas a terem um lar.

Pau à pique na Terra Prometida

Esti Redondo*

DSCN3252

Estrutura concluída!

O Terra Prometida é um assentamento do MST no estado de Rio de Janeiro, após 20 anos de luta as famílias resistem produzindo alimentos agroecológicos. Lá moram agora duas irmãs gêmeas  militantes do  MPA e nessa semana construímos com elas uma varanda camponesa, um espaço para fazer debate, oficinas, beneficiar sementes e acolher pessoas que chegam para conhecer o assentamento.

Construímos com bambu, barro e capim, utilizando uma tecnologia camponesa muito conhecida no Brasil, o estuque ou pau à pique. Mas, incorporamos algumas novas técnicas que podem agilizar e melhorar estas estruturas.

Materiais para o pau à pique:
– Bambus
– Pregos pequenos
– Capim desidratado
– Barro

Trabalhos para fazer antes da construção:
20181206_180920_001– Roçar o capim uma semana antes, deixar secar no mesmo lugar, depois de três dias revolvê-lo para que seque bem do outro lado. Quando estiver seco, juntar e colocar junto ao local do barro.
– Fazer um buraco onde vamos misturar o barro com os pés. Colocar uma lona para aproveitar bem os materiais.
– Uma semana antes de a construção colocar água e barro no buraco e misturar até ter uma textura de iogurte liquido. Todo dia misturar um pouco e botar mais água se precisar.
– Cortar e limpar o bambu, abrir na metade ou em quatro partes se for muito grosso.
– Comprar pregos pequenos.

Coisas importantes para lembrar:
– Uma construção de barro precisa estar protegida da água, precisa  então de bons “sapatos” e bom” chapéu”.
– Vamos fazer uma base ou alicerce de pedras ou tijolos, o barro tem que ficar pelo menos 30 cm acima do chão.
– O telhado tem que ser amplo para que a chuva não atinja as paredes diretamente.

A construção:
– Prega-se os bambus nas paredes, de coluna a coluna, cuidando para não  chegar até o telhado e não esquecer espaços. Pregamos mais a menos com 45 graus de caída; mais o menos 12 cm de um para o outro.  -Pela parte de fora pregamos para um canto, pela de dentro para outro.

DSCN3257– Se o capim for muito comprido cortamos ele até um tamanho ideal.
– Fazemos uma pilha de capim e jogamos barro. Misturamos. Não precisa ficar encharcado  de barro, só uma textura como quando botamos molho de tomate no macarrão.
– Botamos o capim molhado e o barro na estrutura de bambus. Não precisa socar mais tem que ficar bem preenchido, sem buracos.
– No outro dia já estará seco e forte, pronto para começar o reboco.

Por que deste jeito:
– A construção fica bem mais ligeira, não pega tanto peso.
– Podemos encher as paredes de uma só vez.
– O processo é bem mais rápido e menos cansativo (menos trabalho fazendo barro, carrega-se
menos peso).
– As paredes ficam muito isoladas, vamos ter temperaturas mais altas no frio e mais baixas no calor.

Limites desta técnica:
Podemos utilizar capim, palha de cereal ou outras fibras. Nos lugares mais secos como o semiárido, pode ser difícil achar estes materiais e seria melhor utilizar mais barro, pedras ou outros materiais locais disponíveis.

*Militante social e amiga do Movimento dos Pequenos Agricultores- MPA