Via Campesina realiza Dia Internacional de luta contra a OMC e os Tratados de Livre Comércio

Arte: Via Campesina Internacional

Arte: Via Campesina Internacional

A jornada de luta denuncia a OMC a série de Acordos de Livre Comércio, bilaterais e multilaterais, que tem criado níveis de desigualdades críticos no mundo.

Organismos internacionais como a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que promovem, direta e indiretamente, uma série de acordos comerciais bilaterais e multilaterais, tem criado níveis criminais de desigualdades no mundo, onde de acordo os dados da OXFAM, 82% da riqueza mundial é controlada atualmente por 1% da população.

A fome mundial está aumentando novamente e a Soberana Alimentar dos povos está sob grande ameaça. Este é o resultado de uma pressão persistente, durante sete décadas, para adotar políticas neoliberais, que promovem regime de “livre comércio” em todo o mundo. Como consequência a privatização e o desmonte enriquecem aos ricos, enquanto a pobreza e a fome no mundo continuam em níveis criticamente altos.

É um crime imperdoável que coloca em questão a existência dessas instituições e os acordos de livre comércio que eles promovem. Tudo o que esses acordos garantiram é a liberdade das multinacionais de despejar alimentos baratos em países economicamente mais fracos, depois de receberem grandes subsídios de seus governos ricos.

Isso, juntamente com um impulso para um sistema agrícola industrial, é a razão pela qual os grãos de alimentos são vistos como produtos com os quais especular e comercializar, com camponeses e agricultores familiares que não podem sequer cobrir o custo do cultivo. Tudo isso destruiu as comunidades camponesas e devastou os mercados de pescadores e camponeses. O aumento na privatização dos serviços aumentou o custo de vida, enquanto os níveis de renda das famílias camponesas despencaram. A dívida resultante levou milhões de famílias camponesas a um endividamento profundo.

Este sistema de agricultura industrial promovido pelo trio criminoso da OMC, do Banco Mundial e do FMI, levou à consolidação e controle da cadeia alimentar global nas mãos de algumas empresas do agronegócio, criando um impacto devastador no planeta, suas pessoas e todas as espécies vivas.

 

 

Arte: Via Campesina Internacional

Arte: Via Campesina Internacional

Organizar, formar e mobilizar! 

Foi para destacar essa extrema violação na vida no campo que, em 10 de setembro de 2003, Lee Kyung Hae – um produtor de arroz da Coréia do Sul e líder de nosso movimento camponês – tirou a própria vida do lado de fora da reunião ministerial do OMC em Cancun, México. Enquanto sacrificava sua vida para expor os crimes da OMC e os acordos de livre comércio, Lee segurava uma faixa que dizia: “A OMC mata os camponeses”.

Desde aquele dia, tomamos a data de 10 de setembro para comemorar o Dia Internacional de Luta contra a OMC e os Acordos de Livre Comércio, mobilizando nossos membros contra o ataque do capitalismo global e regimes de livre mercado. Denunciamos a OMC em todas as reuniões ministeriais realizadas desde então por meio de ações diretas.

Este ano vamos também intensificar a resistência. Vários acordos bilaterais e multilaterais, como RCEP, CPTPP, UE-Mercosul, CETA e outros, estão sendo negociados freneticamente por países e organizações globais a portas fechadas, sem respeitar a democracia e a soberania nacional.

No período que antecedeu 10 de setembro, convocamos todas as nossas organizações membros, aliadas, aliadas nas cidades e campos e todos os amigos para organizar passeatas, reuniões públicas e ações que continuarão a denunciar a existência da OMC, do Banco Mundial. e o FMI, além de expor os detalhes desses acordos que ameaçam tirar a Soberania Alimentar das pessoas e permitir a expansão dos mercados para o agronegócio multinacional.

Devemos ecoar, em nossas próprias e diferentes formas de luta descentralizada, o apelo de Lee Kyung Hae: “A OMC e os acordos de livre comércio matam os camponeses”.

No dia 10 de setembro, a Via Campesina também anunciará um massivo esforço de mobilização contra o trio criminoso do Banco Mundial, do FMI e da OMC. Pedimos a todas as nossas organizações membros que se unam e mostrem o poder da resistência das pessoas.

 

Em marcha, agora!

A OMC mata camponeses!

Agricultura de todas as negociações de livre comércio!

Queremos a soberania alimentar, não o livre comércio!

Por Via Campesina Internacional