Por que a maioria dos pobres do mundo são mulheres

igualdade-direitos-mulheres

Arte: Divulgação

A desigualdade de gênero é uma das formas mais antigas e mais difundidas de desigualdade no mundo. Ela nega às mulheres suas vozes, desvaloriza seu trabalho e torna a posição das mulheres desigual à dos homens, desde o lar até os níveis nacional e global.

Apesar de alguns progressos importantes para mudar isso nos últimos anos, em nenhum país as mulheres alcançaram a igualdade econômica com os homens, e as mulheres são ainda mais prováveis do que os homens de viverem na pobreza.

Pobres, não remunerados, subvalorizados: desigualdade de género no trabalho

Baixos salários: Em todo o mundo, as mulheres estão no trabalho com salários mais baixos. Globalmente, elas ganham 23 % menos do que os homens e com a taxa atual de progresso, vai demorar 170 anos para fechar a lacuna. 700 milhões de mulheres a menos do que homens estão em trabalho remunerado.

Falta de trabalho decente: 75% das mulheres em regiões em desenvolvimento estão na economia informal – onde têm menos probabilidade de ter contratos de trabalho, direitos legais ou proteção social, e muitas vezes não são pagas o suficiente para escapar da pobreza. 600 de mulheres milhões estão nas formas mais precárias e inseguras de trabalho.

Trabalho de cuidados não remunerado: As mulheres fazem pelo menos o dobro do trabalho de cuidados não remunerado, como cuidados infantis e tarefas domésticas, chegando a 10 vezes mais que os homens, muitas vezes para além do seu trabalho remunerado. O valor global deste trabalho a cada ano é estimado em US $ 10 trilhões – o que equivale a um oitavo do PIB mundial inteiro.

Mais dias de trabalho: As mulheres trabalham dias mais longos, contando o trabalho remunerado e não remunerado. Isso significa que, globalmente, uma jovem hoje vai trabalhar em média o equivalente há quatro anos mais do que um homem ao longo da sua vida.

Aumentar a igualdade econômica das mulheres reduziria a pobreza para todos

A desigualdade de gênero na economia custa às mulheres dos países em desenvolvimento US $ 9 trilhões por ano – uma quantia que não só daria novo poder de compra às mulheres e beneficiaria suas famílias e comunidades, mas também proporcionaria um impulso massivo à economia como um todo.

Os países com níveis mais elevados de igualdade de género tendem a ter níveis de rendimento mais elevados, e as evidências de várias regiões e países mostram que a redução da diferença econômica leva à redução da pobreza.

Na América Latina, por exemplo, o aumento do número de mulheres no trabalho remunerado entre 2000 e 2010 representou cerca de 30% da redução global da pobreza e desigualdade de renda.

Apoiar as mulheres a terem acesso a um trabalho decente e de qualidade e a melhorar os seus meios de subsistência é, por conseguinte, vital para o cumprimento dos direitos das mulheres, a reduzir a pobreza e atingir metas de desenvolvimento mais amplas.

O empoderamento econômico das mulheres é uma parte chave para conseguir isso.  Precisamos de uma economia humana que funcione tanto para homens como para mulheres, e para todos, não apenas alguns.

Para saber mais, acesse o relatório da Oxfam “Uma economia que funciona para as mulheres“.

Tradução Livre: Comunicação MPA