Mulheres do campo e da cidade vão as ruas neste sábado contra o fascismo e por #EleNão

Arte: Comunicação MPA

Arte: Comunicação MPA

Neste sábado (29) as mulheres camponesas do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) estarão nas ruas com as demais mulheres da Classe Trabalhadora contra o fascismo, contra a violência, contra o capital, contra o machismo e o capitalismo neoliberal nos atos programados em todo país, por #EleNão.

Vivemos em tempos de avanço do conservadorismo, bastante evidente no atual processo eleitoral, a partir das manifestações, posicionamentos ideológicos de extrema direita e atos públicos do candidato Jair Bolsonaro (PSL), que pauta sua candidatura à Presidência do país sustentada numa base machista, homofóbica, racista e sexista, explica Leila Santana, do coletivo nacional de gênero e da coordenação nacional do MPA.

No Brasil e em diversos países inúmeras mulheres vão as ruas nesta data, – são mulheres dos diversos setores, classes, profissões e orientação religiosa e política -, pois compreendem que independentes de onde estejam, são alvo direto dos ataques de Bolsonaro.

“As informações que temos, dizem respeito a organização das mulheres do mundo inteiro, sabemos de no mínimo 5 países com atos marcados e convocatória #EleNão. Estão previstos, atos em 25 cidades do exterior, a maioria na Europa, mas com atos no Chile, Argentina, Estados Unidos e Canadá no dia 29, no Uruguai e na Austrália serão realizados atos no dia 30. No Brasil todos os Estados estão mobilizados e nós, as mulheres camponesas do MPA, estamos na construção dos atos em todos os Estados onde temos base organizada”, afirma Leila.

Josi Costa, do coletivo nacional de gênero e da coordenação nacional do MPA, por sua vez aponta os diversos setores que tem se organizado em torno dos atos programados. “Sabemos que há mulheres de diversos setores e isto nos impõe o desafio do cuidado, mas com muita mística o Movimento se soma nesta construção, levando suas bandeiras da Democracia e do projeto eleitoral que queremos, entendendo que a nossa força é por um mundo onde todos e todas sejam livres”, argumenta ela.

O movimento também orienta que as mulheres em todos os Estados vão às ruas com as bandeiras, lenço de chita que as identificará enquanto Via Campesina e com o chapéu de palha afirmando a cara das mulheres camponesas do MPA em luta. “Nossa mensagem é Democracia, Lula Livre, Haddad e Manuela à Presidência, por um Brasil feliz de novo e onde o povo brasileiro seja livre para ser o que quiser e ter um país efetivamente justo”, concluir Josi.

 

Por Comunicação MPA