Foto: Seminário Internacional dos Povos

Foto: Primeiro Seminário Internacional dos Povos

Entre os dias 6 a 11 deste mês, representantes dos Movimento Sociais vindos de mais de 20 países da América Latina estiveram em Bogotá, na Colômbia, para o primeiro Seminário Internacional dos Povos com o objetivo de expor e debater sobre as realidades sociais, políticas e históricas de luta que cada organização tem desenvolvido em seus países.

O Seminário buscou dialogar, analisar e intercambiar as experiências, por meio de mesas de trabalho. Assim mesmo, o Seminário esteve de cara com a Assembleia Legislativa Popular e dos Povos, onde diferentes setores da oposição, se reuniram durante três dias para gerar alianças e compartilhar agendas de luta, com o objetivo de construir um novo bloco popular no país.

Josi Costa, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) esteve neste primeiro Seminários Internacional dos Povos e explica que o objetivo do evento, “foi compartilhar conhecimentos, experiências e agendas para aprofundar e identificar dentro da leitura deste período político sujeitos, Movimentos Sociais e correlações de forças no Continente e assim, gerar políticas e construir planos conjuntos entre as organizações latino-americanas”, destaca ela.

Por sua vez, Juan Fernández, representante da Comissão Internacional do Congreso de los Pueblos, aponta, “esta é a primeira vez que este evento é realizado desde o Congresso dos Povos, como uma Comissão Internacional cumprindo o objetivo de fortalecer a diplomacia popular, por isso, se propôs este Seminários, como forma de fortalecer os laços com outros Movimentos e Organizações Sociais do Continente e do mundo”.

Além do Brasil e da Colômbia, estiveram presentes representantes da Argentina, Chile, Estado Espanhol, Cuba, Kurdistán, Peru, Equador, Venezuela, Palestina, México e Honduras no Seminários que teve sua programação dividida em quatro temáticas aberta ao público em geral: A conversa internacionalista sobre as resistências e alternativas ao capitalismo; Encontro com Embaixadas da -ALBA-Cuba, Venezuela, Bolívia e Nicarágua; l Conversa Internacionalista – mulheres construindo poder popular; e, um café da manhã com a Bancada Alternativa – POLO, ALIANZA VERDE, LISTA DE LA DECENCIA, FARC, MAIS no salão do Senado da República.

“Como Congresso de los Pueblos, fazemos parte da ALBA e sempre a partir desse espaço vamos tentar promover tudo o que sejam políticas comuns, mobilizações em comum e sobretudo articular, articular as lutas de todos esses Movimentos e Organizações que atuarão”, finaliza Fernández.

 

Por Comunicação MPA com informações do Colômbia Informa