Maister da Silva: Podem estar sujas as mãos que assinam condenações de Lula

By outubro 4, 2017Artigo

MorogolpistaAlgo Cheira Mal no Reino de Curitiba

Façamos um pequeno exercício de lógica, baseado em informações disponíveis, a respeito do chamado Reino de Curitiba. Lógica formal simples, formulada num silogismo medianamente complexo.

1 — A advogada Dra. Rosângela Wolf Moro é casada com o Juiz Federal Dr. Sérgio Moro, e se orgulha em afirmar: “eu ‘moro’ com ele.”

2 — O “Casal Moro” tem um grande amigo, do peito, de casa, da intimidade. É padrinho de casamento do casal. É o advogado Dr. Carlos Zucolotto.

3 — O Dr. Zucolotto tem um escritório de advocacia onde a Senhora Moro era sócia até bem pouco tempo atrás.

4 — O advogado Dr. Rodrigo Tacla Duran, que além de ter um escritório de advocacia, também atuava como “doleiro” ( um ser humano que troca dólares por reais e reais por dólares, entre outras funções adjacentes) prestava serviços à empresa Odebrecht. Entre os serviços prestados, segundo descobertas da Polícia Federal, troca de dólares, “lavagem” de dinheiro e pagamento de propinas.

5 — O Dr. Rodrigo foi processado na Operação Lava Jato e sua pena seria a prisão em regime fechado e uma multa de 15 milhões de dólares.

6 — Dr. Rodrigo procura Dr. Zucolotto. Pede ajuda e Dr. Zucolotto se dispõe a ajudar. Após alguns dias Dr. Rodrigo recebe a proposta de Dr. Zucolotto: prisão domiciliar, em casa; redução da multa de 15 para 5 milhões de dólares. O custo: 5 milhões de reais “por fora” para os serviços do Dr. Zucolotto e outros custos não revelados por ele. Logo em seguida o Ministério Público do Reino do Paraná apresenta a Dr. Rodrigo a proposta de “prisão em casa” e redução da multa para 5 milhões para um acordo de “delação premiada”.

7 — O Dr. Doleiro, esperto, “salvou” os documentos desta negociação e fugiu para a Espanha, pois tem dupla cidadania, e por lá goza livre as benesses da vida europeia com dinheiro brasileiro. O Dr. Moro condena-o à prisão e à multa. A Espanha nega-se a extraditar seu cidadão.

8 — A história chega ao Brasil através da imprensa e o Dr. Rodrigo diz ter tudo bem documentado e está escrevendo um livro a respeito. Dr. Moro sai em defesa do Compadre Dr. Zucolotto, sócio de sua amada Esposa, qualificando-o de “sério, competente, honrado”, e outras loas que tais. Sendo Dr. Moro homem de alta credibilidade no Reino, só pode ser verdade.

9 — Porém: comprova-se através da Receita Federal que o Dr. Doleiro, o “Rodrigo de Espanha”, efetuou pagamentos na conta da Senhora Dra. Rosângela Moro e do Sr. Dr. Compadre Carlos Zucolotto. A troco de que, estes pagamentos?

Perguntados, responderam: “foram pagamentos para tirar cópias de processos”. Confirmado por Dr. Juiz Moro, esposo e compadre, só pode ser verdade.

Três humildes conclusões deste exercício em nove itens:

a) O compadre e primeiro amigo do Juiz Moro, sócio da mulher do Dr. Moro, é acusado de negociar propina com doleiro da Odebrecht, que fez pagamentos à esposa e ao compadre do Juiz. No mínimo merece uma séria investigação, até para que não pairem dúvidas.

b) Algo cheira mal no Reino de Curitiba. O Juízo de Curitiba está sob suspeita.

c) Podem estar sujas as mãos que assinam as condenações de Lula.

Por Maister F. da Silva –  Militante do Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA