Juventude reafirma compromisso com os candidatos à Presidência da República comprometidos com o projeto popular justo e soberano para a nação

WhatsApp Image 2018-09-24 at 19.52.07A juventude brasileira do campo e da cidade, por meio de carta entre aos candidatos à Presidência da República, Fernando Haddad e Manuela D’Avila, na tarde desta quinta-feira (27), reafirmam o compromisso com os candidatos comprometidos com um projeto popular justo e soberano para a nação. A carta foi entregue aos candidatos na capital gaúcha, Porto Alegre, durante ato.

Confira o documento na integra:

ESTIMADOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA,

Nós, juventude brasileira, do campo e da cidade, que preza por um projeto popular justo e soberano para a nação, vem por meio desta carta reafirmar o compromisso que juntos nós temos, de construir a tão sonhada PÁTRIA LIVRE com direito e dignidade para o nosso povo.

Nós, que resistimos e lutamos:

Contra os desmontes do governo golpista.

Contra o extermínio da juventude negra.

Contra a violência as mulheres, que parte do sistema patriarcal impregnado nas raízes da sociedade.

Contra o projeto do agronegócio, que envenena a comida do trabalhador e da trabalhadora, que explora as terras dos indígenas e quilombolas, empobrecendo o campo e destruindo com os sonhos da juventude camponesa.

Queremos que essa luta não seja apenas nossa.

Que o projeto popular seja o caminho para a valorização da classe trabalhadora. Pois só com profundas transformações da sociedade brasileira, através das organizações populares que lutam por um projeto político, baseado no conceito do povo brasileiro, é que teremos um país soberano, democrático e justo.

Queremos que a juventude volte a ter oportunidades e tenha cada vez mais ânimo de se pôr na luta.

Que seja para todos os filhos e filhas da classe trabalhadora o acesso à educação gratuita e de qualidade, o direto a moradia e saúde, cultura, mais empregos e alimentação saudável.

Que na cidade o jovem tenha a possibilidade de retomar a sua perspectiva de vida.

Que se combata a exclusão educacional garantindo a educação com qualidade, da creche ao ensino técnico e superior.

Que tenhamos alternativas de sustentação econômica.

Que a cultura negra e periférica deixe de ser criminalizada, que a juventude negra deixe de ser exterminada.

Que possamos viver em um pais não só justo, mas livre de todos e quaisquer preconceitos.

Que se fortaleçam as políticas públicas pelo nosso desenvolvimento.

Lutamos por igualdade social.

Que a juventude camponesa possa permanecer no campo desenvolvendo o Plano Camponês baseado no sistema camponês de produção, com ocupação popular dos territórios garantindo acesso terra, qualidade vida e as soberanias, alimentar, energética, genética, hídrica e territorial. Sem deixar de lado o fortalecimento da cultura popular e da diversidade que resiste nas roças do nosso Brasil.

Que programas como PRONERA sejam a garantia de acesso ao ensino superior de qualidade, respeitando os princípios da educação do campo e a identidade dos sujeitos, ampliando o acesso para os camponeses, agricultores familiares e comunidades tradicionais.

Que programas como PAA e PNAE possam continuar sendo garantia de renda para a juventude do campo, garantindo a estrutura produtiva e social necessária para avançarmos na construção da agroecologia como modelo de produção que respeite a vida e a diversidade dos povos e da natureza.

Somos todos ferramentas contra todas as formas de opressão e exploração.

Somos a semente de um mundo novo e queremos o Brasil feliz de novo.

 

Porto Alegre, RS, 27/09/2018.

Assinam a Carta:

Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA;

Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra – MST;

Levante Popular da Juventude;

Juventude do Partido dos Trabalhadores – JPT.