Juventude Camponesa cria brigadas nos Estados com o objetivo de contribuir na campanha eleitoral dos candidatos populares

Brigada em São Paulo. Foto: Brigada de Juventude

Brigada em São Paulo. Foto: Brigada de Juventude

Com músicas, teatro, e a divulgação dos projetos dos candidatos populares a juventude camponesa do MPA há algumas semanas tem se dedicado a dialogar com a população do campo e da cidade em pelo menos cinco Estados. Entre as palavras de ordem que tem ganhado ecos em todos os cantos é, “Valorize seu voto, ele é sua expressão; De alegria, tristeza ou indignação; Valorize o seu direito e vote consciente; Tire do poder os corruptos inconsequentes”, é a poesia como ferramenta de luta e denuncia.

No Rio de Janeiro a Brigada Nacional “Ação Camponesa”, tem subido e descido o morro dialogando com os moradores sobre o projeto dos candidatos do campo popular e suas propostas. A criação da brigada fortalece ainda a aliança entre o campo e a cidade em torno do Alimento Saudável e de um projeto popular e soberano para o país. “A Brigada Ação Camponesa, vem com tarefa de contribuir no processo de disputa com a sociedade para derrotar os golpistas nas próximas eleições em 7 de outubro”, explica Beto Palmeira da coordenação nacional do MPA.

Brigada de Juventude no Rio De Janeiro. Foto: Brigada de Juventude

Brigada de Juventude no Rio De Janeiro. Foto: Brigada de Juventude

Já em São Paulo, a capital financeira do país, a juventude camponesa do MPA se mistura à juventude do MAB e do Levante Popular da Juventude, juntos, animam e politizam o processo eleitoral, debatendo com a sociedade o que de fato está em jogo nestas eleições. “Há dois cenários em disputa, de um lado um processo de retomada da democracia e dos nossos direitos, e do outro lado um processo de aprofundamento do golpe, onde o povo não tem vez e nem voz”, esclarece Mateus Além integrante da Caravana Nacional de Luta Camponesa “Clodomir de Morais” do MPA.

No Piauí a Brigada de Juventude Camponesa homenageia Marisa Letícia e tem percorrido as comunidades do interior, bairros, as feiras livres e populares dialogando com a população, denunciando o golpe e seus atores, assim como, orientando a população a votar nos candidatos do campo popular. “Esse é um dos desafios que a juventude assumiu, pois, o resultado destas eleições irá influências as próximas gerações, por isso nós afirmamos que não é mais uma eleição tática e sim estratégia para nosso projeto”, explica Francisca, jovem camponesa e integrante do coletivo nacional de juventude do Movimento.

Brigada de Juventude no Piauí. Foto: Brigada de Juventude

Brigada de Juventude no Piauí. Foto: Brigada de Juventude

Da mesma forma, as ações da juventude se multiplicam também no Rio Grande do Sul e Rondônia. Nestes Estados as ações estão sendo realizadas tanto nas capitais, como nas cidades do interior, fazendo ações de agitação e propaganda, panfletagem – caso do RS do Jornal Brasil de Fato produzido no Estado -, bem como, denunciando os retrocessos que o golpe vem impondo aos trabalhadores e, busca dialogar com a população sobre os projetos dos candidatos do campo popular.

Leila Denise, camponesa e integrante da coordenação nacional do MPA, aponta o trabalho desenvolvido em RO, “aqui no Estado temos pela primeira vez candidato camponês, além de outro que é da Frente Popular. Encaramos essa campanha como uma forma de levar ao povo a esperança e a mensagem de que é possível recomeçar e retomar nossos direitos, mas precisamos além de votar se manter mobilizados e em luta”, afirma ela.

Brigada de Juventude no Rio Grande do Sul. Foto: Brigada de Juventude

Brigada de Juventude no Rio Grande do Sul. Foto: Brigada de Juventude

Em outros Estados os camponeses do MPA seguem o mesmo caminho, cumprindo um papel fundamental neste momento de disputa e polarização eleitoral, onde tem-se a possibilidade de derrotar o golpe pelas eleições elegendo um candidato que permita resgatar o Brasil de retrocessos nos direitos sociais e políticos, os trabalhadores estão disputando com projeto da Direita e Extrema direita que buscará seguir o aprofundamento do golpe, que é representado por candidatos como Jair Bolsonaro e Geraldo Alckmin.

“Na conjuntura política atual, onde nossa democracia sofre duros golpes por parte de uma burguesia antinacionalista, torna-se de grande importância a organização da juventude na construção do processo eleitoral de 2018. A juventude deve ser protagonista nas lutas em defesa da Soberania Nacional, da Democracia, contra o avanço fascista e na luta por uma transformação profunda da nossa sociedade”, afirma o jovem Jhonanta Maurilio, integrante da Brigada.

 

Por Comunicação MPA