É nas ruas que a Reforma da Previdência será derrotada

7e8e40f61419df8b765adf52132c8aa7

A FBP é composta por organizações do campo e da cidade. Foto: Central de Mídias da FBP

Entidades do movimento sindical e social fizeram balanço e apontaram as perspectivas do próximo momento de luta contra a reforma da previdência e trabalhista. Na avaliação dos participantes da reunião nacional da Frente Brasil Popular, mobilização em defesa da aposentadoria trouxe para às ruas novos segmentos.

A avaliação é que há uma indignação crescente com o governo ilegítimo do presidente de Michel Temer que deságua na luta contra a reforma da previdência e mesmo com o crescimento dos atos, manifestações e paralisações, o único jeito de derrotar a proposta é continuar nas ruas e pressionar os deputados em suas bases. Para isso, será organizado ações para contribuir com a pressão aos congressistas.

A agenda da Frente Brasil Popular continuará em torno das bandeiras em defesa da aposentadoria, pelo Fora, Temer e Diretas Já.

Debate de Conjuntura

Para contribuir com o debate sobre os desafios do cenário político e social, a reunião contou com a participação da deputada federal Jandira Feghali e do ex-ministro da comunicação do governo Lula, Franklin Martins.

A deputada contou que a reforma da previdência do jeito que foi enviada para a Câmara terá muitas dificuldades para ser aprovada. “A pressão que os movimentos sociais estão fazendo em torno dos deputados está dando certo”, afirmou Jandira.

De acordo com Jandira, as mobilizações dos dias 08, 15 de março e o dia de ontem (19), com ex-presidente Lula na Paraíba, são tomadas de consciência importantes.

“Muita gente que bateu panela está indo às ruas contra a reforma da previdência. O discurso não está sendo suficiente para impedir o crescimento da consciência contra a reforma da previdência”.

Mesmo a narrativa contada por Temer sobre o falso rombo da previdência e que a ‘reforma é necessária para garantir o futuro’, os deputados da base do governo não querem assumir o desgaste de votar no texto atual da reforma.

Segundo o ex-ministro da comunicação, há fissuras importantes no campo que promoveu o golpe pela ausência de um projeto unitário e comum.

“Eles não têm lideranças, como tinham eu 1964, têm interesses de varejo em torno de questões pontuais. Só a mídia tem um projeto de atacado que é fazer do Brasil uma extensão dos Estados Unidos e fazer o País voltar a ser colônia”, defendeu Franklin Martins.

O que unificou os partidos, mídia, parte do judiciário e setores do capital estrangeiro foi que enxergar uma janela de oportunidade para assumir o poder central do Brasil, porque eles já estavam na quarta eleição sem ganhar por não ter um discurso para oferecer à sociedade e que se sustente. Na prática, hoje as forças que aplicaram o golpe não têm um projeto político claro e um discurso que unifique o País.

Sobre a definição de apoio à alguma candidatura, Jandira Feghali problematizou. “Antes de decidir o nome que vamos apoiar precisamos refletir qual é o Brasil que queremos? Qual é a agenda? Vamos construir qual programa? Tem que ser um conjunto de ideias que unifique as forças progressistas brasileiras”.

Novas Datas de Luta

O calendário de atos e mobilizações é composto principalmente em defesa dos direitos conquistados, como exemplo, no dia 30 de março acontecerão mobilizações em defesa do programa Minha Casa Minha Vida.

Já no dia 31 de março, dia que é marcado pelo golpe militar de 1964, as atividades serão em torno da defesa da democracia e fazer a crítica às imprensas monopolizadas e oligopolizadas. O caráter e formato será definido pelos comitês estaduais da Frente.

Dia 07 de abril será a vez dos estudantes irem às ruas, na Jornada Nacional de Lutas, data aprovada no Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, realizado neste final de semana.

No dia 13 de abril, data que está prevista a votação na comissão especial que analisa a proposta da reforma da previdência, serão realizadas atividades para pressionar os deputados participantes desta comissão e outros eventos em Brasília.

As organizações da Frente Brasil Popular conversarão com as outras centrais sindicais brasileiras para definir uma data unitária na segunda quinzena de abril para ser o dia nacional de paralisações, mobilizações e greve geral contra a reforma da previdência e trabalhista.

Em maio, a Frente reforçará o chamado do dia internacional do trabalhador, no dia 1 e no dia 03 de maio, organizará comitivas e caravanas para Curitiba, dia que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá depor ao juiz Sérgio Moro.

Por Ana Flávia Marx – Central de Mídias da FBP