Delegação chilena visita experiências de sementes crioulas e agroecologia do MPA no Brasil

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Depois de 4 dias de estudo, formação e apropriação teórica sobre Agroecologia, Sementes Crioulas, bem como sobre a organicidade e as ações do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e o Campesinato brasileiro, a delegação de 10 pessoas, composta por camponeses com terra, sem-terra ou pouca terra, estudantes, professor, técnicos e líderes campesinos do Chile estão no Brasil com o objetivo de conhecer tais experiências.

Entre os dias 7 e 8 de outubro, 2017, a delegação visitou as Unidade Camponesa de seu Normélio e dona Maria Triaca, de seu Danilo, de seu Celso e Irene Lugaresi, e, da Dona Edela e Debora Schneider. Essas experiências estão localizadas no município de Palmitos, extremo oeste catarinense.

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Foto: Adilvane Spezia / MPA

No seu Normélio de dona Maria, os intercâmbistas tiveram a oportunidade de conhecer o processo de resgate multiplicação de sementes crioulas, as ferramentas de manejo usadas na unidade, bem como a produção de frutas e verduras. A família mora a 17 anos na mesma área e a 9 anos tem adotado a Agroecologia como modo de vida, e cultiva mais ou menos116 variedades crioulas. “Tudo o que temos aqui foi de nossos pais”, explica Dona Maria Triaca.

Na Unidade Camponesa de seu Danilo o grupo foi conhecer as experiências em Agroecologia, Adubações Verde, Sementes Crioulas e Varietais em campos de multiplicação em grande escala. Ele e sua família cultivam a área há mais de 38 anos, e a 5 anos destina um terço da área para a multiplicação de sementes crioulas e varietais deslinadas a Cooperativa Oestebio.

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Já com o sol se pondo no horizonte, a família Lugaresi abre as porteiras de sua Unidade Camponesa para receberem os visitantes onde tiveram a oportunidade de conhecer a produção de vinho, sementes crioulas, mel, frutas e verduras, tudo agroecológico, fruto do trabalho da família. “A prática da Agroecologia e do cuidado diário tem sido um aprendizado”, afirma Celso Lugaresi. Ao final da visita todos puderam provar do vinho agroecológico produzido pela família.

Na manhã de domingo, 8, Dona Edela e Debora Schneider receberam o grupo em sua Unidade Camponesa que é conduzida pelas duas mulheres. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer o Horto Medicinal Aroma Flor que fica na propriedade, realizaram uma Trilha Ecológica pela Agroefloresta, apreciaram o artesanato produzido por elas, bem como, saborearam as delícias da roça. “A Agroecologia é uma opção de vida e nós temos que entender a nossa vida, a nossa casa, a nossa resistência como nossa luta”, aponta Edela Schneider.

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Foto: Adilvane Spezia / MPA

Para o MPA, segundo Gilberto Schneider que é dirigente do Movimento e compõe o Coletivo Internacional de Agroecologia, Sementes e Agrobiodiversidade da Via Campesina, “esse intercâmbio faz parte do que nós no MPA chamamos de cooperação camponesa, do internacionalismo camponês e para nós é muito importante poder receber essa delegação, pois fortalece também nosso trabalho de guardiões e guardiãs de sementes, de massificação e a nossa ação coletiva que a nós da Via Campesina estamos fazendo de ‘Adote uma Semente’, onde todas as famílias camponesas da nossa base, da base das organizações camponesas da Via Campesina estão convocadas a adotar uma variedade de semente crioula, e, que nenhuma a mais seja perdida”.

O intercâmbio ocorreu entre os dia 3 a 13 de outubro de 2017. E, foi possível por meio do projeto Gira Tecnológica este projeto busca realizar a troca de experiências entre os camponeses e camponesas no Brasil organizados no Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e os camponeses e camponesas no Brasil organizados Conselho Nacional de Produtores de Chile (CONAPROCH).

 

Por Adilvane Spezia – Jornalista|MPA