Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA no Norte do Brasil: uma diversidade de histórias, pessoas, saberes e sabores

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Depois de rodar os Estados da Bahia, Sergipe, Espírito Santo, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal realizando trabalho de base, debatendo sobre a conjuntura, fazendo a agitação e propaganda, mobilizando o povo, desde o dia 9 de junho a Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA “Clodomir de Morais” está em Rondônia, o Estado que é a síntese do Brasil em pessoas, saberes e sabores.

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Rondônia é de uma diversidade infinita, com uma riqueza imensa, não só por portar a transição entre os biomas do Cerrado e da Mata Amazônica, mas por apresentar os traços de uma grande misticidade do Brasil, desde o auge de sua colonização, na década de 70.

“Durante a ditadura militar teve início, no Estado, o programa “Terras Sem Homens para Homens Sem Terra” que prometia terra para todos que fossem colonizar este lugar. Porém, as terras eram limitadas e muitos que chegavam aqui não tinham acesso às terras, surgindo várias ocupações e conflitos agrários, relata Leila Denise, da coordenação nacional do MPA

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

“Tem sido bastante frequente ouvirmos os relatos desses conflitos, como exemplo, o Massacre de Corumbiara, em 1995, onde camponeses foram violentamente confrontados por jagunços e até hoje não se sabe o número exato de assassinatos, segundo testemunhas, passam 100 camponeses mortos. Em 2016, Rondônia ocupou o primeiro lugar no ranking de violência no campo, com 21 mortos em conflitos agrários, apresentando-se como um dos Estados que tem uma enorme concentração de terras nas mãos de poucos”, relata Mateus Além, integrante da Caravana.

A brigada viajante ainda tem apresentado intervenções sobre o massacre aos diretos sócias e o motivo do preço da gasolina, do gás de cozinha e do diesel estarem tão altos. “Estamos aqui para denunciar esta concentração e denunciar o desmonte que a educação do campo está sofrendo com iniciativas do Governo Estadual, com a mediação tecnológica e a militarização, também o desmonte que o Brasil vem sofrendo”, avisa o jovem camponês Henrique, integrante da Caravana.

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Foto: Caravana Nacional de Luta Camponesa do MPA

Em Rondônia a Caravana Nacional de Lula Camponesa do MPA já realizou atividades nos municípios de Alta Floresta D’oeste, Santa Luzia, Novo Horizonte, Rolim de Moura e Pimenta Bueno, na Regional que o Movimento chama de Tião Preto, reunindo crianças, jovens e adultos por onde passou. A Caravana seguirá agora para a Regional que o Movimento chama de Luzinei Barreto, no centro do Estado.

 

Por Comunicação MPA