Candiota (RS) se torna referência utilização de ervas medicinais na saúde pública

Foto: Rede Soberania

Foto: Rede Soberania

Parceria entre a prefeitura do município gaúcho e o Instituto Cultural Padre Josimo garante realização de amplo diagnóstico a respeito do tema e prospecta possibilidades práticas de ações em saúde preventiva.

O Instituto Cultural Padre Josimo e a Prefeitura Municipal de Candiota, no Rio Grande do Sul, realizaram no dia 14 de setembro um seminário público, integrando o Projeto Plantas Medicinais na Promoção e Prevenção da Saúde Pública. A atividade foi realizada no Centro de Eventos, junto à Sede do Município, e contou com a presença de cerca de 150 pessoas, com destaque para representações das escolas da rede pública municipal e estadual, além de autoridades, funcionários da equipe de saúde, Programa Primeira Infância Melhor, prefeito Adriano Castro dos Santos e vice Gil Deison Lopes Pereira, bem como secretários e pessoas que participaram diretamente da coleta de dados para o diagnóstico.

Foto: Rede Soberania

Foto: Rede Soberania

O coordenador do diagnóstico, Celio Cadoná, explicou que a resposta da comunidade foi muito positiva, alcançando grande participação popular. “Esse diagnóstico ouviu os anseios da população, deixando claro que a saúde está relacionada com todas as demais áreas do município”, afirma Cadoná. Para o pesquisador, fica expressa através do diagnóstico a importância de se viabilizar uma ação pública na saúde preventiva, dando cada vez mais atenção e dedicação a esse segmento.

No tocante às atividades realizadas, a equipe que se dedicou aos trabalhos destaca que foram citadas mais de 167 ervas medicinais, junto com uma “receitinha” especial. Também foram citados mais de 55 tipos de doenças existentes no município, sendo que boa parte pode receber atenção através das ervas e conhecimentos tradicionais. Ao final do trabalho se constatou que mais de mil pessoas tiveram participação no levantamento.

O agente social Axil Costa explicou que essa ação é fundamental para o delineamento das particularidades do serviço público de saúde do município. “Instrumentos dessa natureza, ligados a participação popular, impulsionam para a implementação de uma política pública de saúde adaptada à realidade do município, valorizando o protagonismo social e democrático”, pontuou.

 

Por Marciane Fischer – ICPJ e Rede Soberania