Praça Santos Andrade em Curitiba, onde será o 1º de maio unificado. Foto: divulgação/cut.org.br

Praça Santos Andrade em Curitiba, onde será o 1º de maio unificado. Foto: divulgação/cut.org.br

Pela primeira vez, desde a redemocratização, as sete maiores centrais sindicais brasileiras estarão reunidas em um mesmo ato de celebração do Dia do Trabalhador, em defesa da democracia e da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Brasil e o mundo voltam seus olhos neste 1º de maio para Curitiba, capital do PR. A cidade de onde se desenvolve a operação Lava Jato, que sob o pretexto do combate à corrupção está desconstituindo a democracia no brasil e desestruturando os setores produtivos do país, vai sediar o primeiro ato unificado de Dia do Trabalhador reunindo as sete maiores centrais sindicais brasileiras, algo que não ocorria desde a redemocratização. São muitos os elementos simbólicos que conduzem a essa mobilização conjunta, a citar-se entre eles o número recorde (e crescente) do desemprego no país sob a política econômica neoliberal do golpista Michel Temer, a prisão política (em um processo onde não se apresentou provas contra o condenado) do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e, o fato deste ser o primeiro Dia do Trabalhador após a reforma trabalhista que destruiu a CLT. A Rede Soberania está mobilizando uma equipe para acompanhar as atividades diretamente de Curitiba já a partir dessa segunda-feira, 30 e deve transmitir suas tradicionais lives pelo Facebook durante toda a programação na terça, 1.

Conforme noticiou a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o ato de Curitiba terá como mote “Em Defesa dos Direitos e por Lula Livre”. O que unificou CUT, Força Sindical, CTB, NCST, UGT, CSB e Intersindical foi a defesa da liberdade do ex-presidente Lula, mantido como preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba há 20 dias, e a certeza de que eleição de Lula para presidente da República em outubro é a chance que a classe trabalhadora tem de conseguir resgatar direitos perdidos nos últimos anos.

Os sindicalistas estão também unificados em torno de uma pauta comum de interesse da classe trabalhadora, como uma política econômica de geração de empregos e renda, defesa da seguridade e da Previdência Social pública, o fim da lei do congelamento de gastos e a revogação da reforma Trabalhista. Os presidentes das sete centrais participam do ato, além de representantes de movimentos sociais como MST, MTST, UNE e Central de Movimentos Populares, entre outros integrados pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo. Como tem ocorrido desde a instalação do acampamento Lula Livre na capital paraense, a manifestação de terça-feira, a partir das 14h na Praça Santos Andrade (Praça da Democracia), no centro histórico de Curitiba terá um forte ingrediente cultural, com apresentação de artistas conhecidos por ser posicionamento em defesa da democracia, como Beth Carvalho, Maria Gadú, Ana Cañas e Renegado, além de artistas locais.

As atividades iniciam logo cedo, a partir da recepção às delegações, às 7h no terminal Boa Vista. De lá os militantes, ativistas e sindicalistas seguem em caminhada até o acampamento LULA LIVRE, onde farão um histórico “Bom Dia Presidente Lula”. O ato unificado inicia a partir das 14h na Praça Santos Andrade (Praça da Democracia). As 16h começa o ato político.

 

Por Marcos Corbari | Rede Soberania

Com informações da CUT e Rede Brasil Atual